Taliesin – Stephen Lawhead

Esta história começa com a tragédia da Atlântida e a chegada à Grã-Bretanha do rei Avallach e a figura heróica do príncipe Taliesin. No crepúsculo do poder de Roma, uma maravilhosa história de amor e guerra que vai gerar o milagre do Mago Merlin (filho de Taliesin e protagonista do volume II) e o famoso rei Arthur.

São alguns volumes que nos encantam, seja pela magia real das lutas contra os saxões, seja pelas belas histórias tão intensamente vividas numa Grã-Bretanha assolada pelas invasões saxónicas e ocupada pelos romanos.

É génese da lenda arturiana contada de uma forma fantasticamente real que nos leva a procurar o segundo volume quando ainda vamos a meio do primeiro.

Até ao meu regresso,

Tess

P.S.: Espero que gostem da minha nova colaboradora, Tess, que, de vez em quando, vai publicar alguns textos.

Espero que gostem.

Até,

Sam

A Branca de Neve e o Caçador

Há maçã envenenada, há os sete anões, há o caçador e a bruxa má. Tudo isto se mantém semelhante a história por nós conhecida. No entanto, é diferente. Kristen Stewart (Branca de neve) foge da prisão onde vive enclausurada a mando da rainha (Charlize Theron). A rainha, desesperada, contrata um caçador (Chris Hemsworth) para a encontrar… Mas nem tudo corre como esperado…

Gostei muito desta “história encantada” modificada. Muito original e bem conseguida.

Juan

Sensibilidade e Bom Senso

Este drama é baseado na obra de Jane Austen e, como tal, tem um enredo apaixonante. Gostei muito deste filme e senti que todas as personagens estavam maravilhosamente interpretadas.
É claro que foi estranho ver o Snape (Alan Rickman) a incorporar o admirador de Marianne (Kate Winslet), a irmã do meio. Foi também peculiar ver Hugh Laurie (Dr. House) a ser uma personagem gentil e amigável que se ofereceu para prestar o apoio necessário à família Dashwood (Elinor, Marianne, sua irmã mais nova e sua mãe).

Acho que é um filme a não perder!

Juan

Luís Vaz de Camões

Fazem hoje 432 anos que este ilustre poeta português faleceu. Assim, acho por bem fazer uma homenagem publicando, aqui, o meu poema camoniano favorito: “Ao desconcerto do mundo”

Convido, também, a partilharem os vossos poemas/estâncias favoritas deste poeta.

«Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E pera mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só pera mim,
Anda o Mundo concertado.»

Até,

Sam

Marie Antoinette

Marie Antoinette – rainha de França aquando a revolução francesa. Para muitos, uma personagem fútil e superficial… mas será mesmo?

Kirsten Dunst encarna a personagem de uma forma formidável e inesquecível e mantém-nos presos ao ecrã. Embora conhecesse a história a priori, confesso que torci para que Maria Antonieta não morresse no final. Pode parecer estúpido, mas foi o que aconteceu!

Espero que gostem tanto como eu.

Juan

Cosmopolis

Vi este filme ontem. Não sabia o que esperar. Mesmo que soubesse, acho que me teria surpreendido. Robert Pattinson é Eric Packer, um jovem multi-milionário hipocondríaco, nesta adaptação da obra de Don DeLillo ao grande ecrã.

É um bom filme, embora melancólico, que nos faz questionar o que é viver e o que é sentir.

Espero que gostem,

Juan

O Símbolo Perdido – Dan Brown

Desta vez, Dan Brown narra uma aventura de Robert Langdon na capital norte-americana. Desta feita, com um toque de genialidade que só Brown consegue imprimir, o autor conseguiu criar um enredo surpreendente que nos faz suster a respiração nos momentos de suspense.

A poucos meses do lançamento do próximo livro de Brown, confesso que estou em pulgas para ler a sua nova obra (acho que o vou ler em Inglês… Estou mesmo ansiosa!)

Quanto ao “Símbolo Perdido”, creio que é um livro excepcional que todos devem ler.

Já agora, aproveito o momento para fazer um pedido: Deixem comentários com os próximos livros que querem que sejam “criticados”. Espero pelas vossas sugestões!

Até,

Sam